Gestão

Cuidado centrado no paciente: 8 fundamentos para aplicar

Por Robô Laura - 30 de junho de 2021

O cuidado centrado no paciente envolve a pessoa atendida  em todas as etapas de decisões sobre sua saúde. Ela não é vista apenas de uma perspectiva clínica, mas também sob aspectos emocionais, mentais, sociais e financeiros. 

Continue a leitura e conheça mais sobre a definição, a importância, os princípios do método, além de tecnologias que auxiliam na gestão do cuidado. Vamos lá?

O que é o cuidado centrado no paciente?

O cuidado centrado no paciente é uma prática centralizada no enfermo e nas necessidades específicas de saúde do indivíduo. Este tipo de cuidado também é denominado “cuidado centrado na pessoa”. 

O objetivo do método é capacitar o paciente a se tornar um participante ativo em todas as decisões de cuidados que envolvem a sua saúde. Isso requer que enfermeiros, médicos, tecnólogos radiológicos e outros profissionais de saúde desenvolvam uma boa comunicação e atendam às necessidades do paciente de maneira eficaz e segura.

Isso transforma o atendimento profissional, que passa a ser personalizado de acordo com as vontades e demandas individuais de cada paciente.

Adotar esse método, traz benefícios como: mais  satisfação do paciente, maior adesão às mudanças de estilo de vida sugeridas e do tratamento prescrito, melhores resultados e cuidados mais econômicos.

Qual a importância do cuidado centrado no paciente?

Muitas instituições ainda colocam as suas necessidades (ou o livro de regras) em primeiro plano, deixando as carências do paciente em segundo ou terceiro lugar. 

Imagine que uma pessoa alérgica chega ao pronto atendimento querendo entender sua condição e prognóstico. Mas, no lugar disso, ela lida com uma equipe apressada em realizar consultas, testes, exames, e prescrição de medicamentos. No fim, sua real frustração passa despercebida por uma série de etapas que a instituição a fez passar. 

O cuidado centrado no paciente busca o oposto disso, revertendo completamente a situação, estabelecendo a comunicação, a empatia e o relacionamento em primeiro lugar. Só a partir daí, é iniciado o tratamento mais adequado.

Essa conexão entre profissional da saúde e paciente permite uma relação de confiança, onde a pessoa se sente à vontade para falar sobre seus sintomas, sua situação e seus desafios. Pacientes que confiam e respeitam os seus médicos, enfermeiros, entre outros profissionais da saúde, têm maior probabilidade de seguir ordens e sentirem-se confortáveis ​​em fazer parte do tratamento. 

8 fundamentos do cuidado centrado no paciente para aplicar

1- Respeito pelos valores do paciente, preferências e necessidades expressas. Reconhecer as especificidades do paciente, mantê-lo informado e envolvê-lo em todas as decisões sobre os cuidados com a sua saúde.

2- Coordenação e integração do atendimento

Os cuidados de saúde podem fazer com que muitas partes interessadas diferentes interajam diretamente com um paciente. Esses membros da equipe devem coordenar seus esforços para apresentar um esforço unido;

3- Informação, comunicação e educação

Explicar e educar sobre o diagnóstico e o tratamento, ao tempo em que as expectativas e preocupações do paciente são levadas em consideração;

4- Conforto físico

Para melhorar a experiência do paciente;

5- Apoio emocional e alívio do medo e da ansiedade

Lidar com a ansiedade em relação à doença e ao tratamento é tão importante quanto lidar com a própria enfermidade;

6- Envolvimento de familiares e amigos

Receber e tratar com respeito, levando em conta suas preocupações;

7- Continuidade e transição

Certificar-se de que o paciente compreende todos os próximos passos, com relação a medicação, terapia contínua e preocupações semelhantes;

8 – Acesso ao atendimento.

Romper todas as barreiras do atendimento.

Tecnologias que auxiliam na gestão do cuidado

Análise Preditiva

Análise preditiva é uma tecnologia que possibilita fazer previsões para hierarquizar o cuidado, ajudando a categorizar urgências e emergências, aumentando a eficiência e otimizando recursos da equipe médica e assistencial. 

O modelo usa ferramentas como Machine Learning, Data Mining, Séries Temporais, Forecasting, Redes Neurais, entre outras tecnologias, para identificar padrões e gerar insights para uma tomada de decisão mais efetiva. Consequentemente há uma melhora no nível de serviço prestado.

O sistema aumenta a atenção ao paciente, permitindo maior precisão em diagnósticos preditivos e antecipação da gestão do cuidado.

Aumente a qualidade assistencial e segurança do paciente com a Laura Inteligência Clínica

Telemedicina 

A telemedicina tornou-se uma parte vital da prestação de cuidados de saúde. É uma ferramenta ágil e centrada no paciente que melhora o acesso ao atendimento médico.

Mesmo não sendo novidade no setor, o seu uso ganhou força durante a pandemia de Covid-19 e veio para firmar o contato digital entre médicos e pacientes.

O sistema ajudou, inclusive, na contenção do aumento de casos do coronavírus, já que os resultados e instruções de tratamento em casos mais leves são disponibilizados totalmente online para os pacientes, sem a necessidade de se deslocarem até as instituições de saúde para obtê-los.

Pacientes com câncer também se encaixam no público-alvo desta tecnologia, que cada vez mais engloba outras especialidades médicas.

A pesquisa “Telemedicina no Brasil”, realizada pela Conexa Saúde (plataforma de telemedicina) e o Datafolha, revelou dados sobre a aceitação e adoção da modalidade no país. O estudo foi realizado entre novembro e dezembro de 2020.

Segundo a pesquisa, 73% dos pacientes que já se consultaram remotamente, estão abertos a adotar a telemedicina habitualmente, especialmente durante a pandemia de Covid-19. Entre os médicos, 68% afirmaram que as consultas a distância oferecem melhor acesso à saúde. 

No estudo, foram ouvidas um total de 801 pessoas, em todas as regiões geográficas do Brasil, sendo 127 usuários da plataforma docpass e 674 da população em geral, além de 307 médicos.

Inteligência Artificial

A Inteligência Artificial é um ramo da Ciência da Computação que concebe dispositivos simuladores das capacidades humanas, entre as quais, o raciocínio, a percepção e a tomada de decisão. 

Um dos grandes benefícios da IA é que a tecnologia possibilita aumentar a atenção ao paciente, otimizando o atendimento.

Por exemplo, com os dados do paciente na nuvem, os médicos podem conhecer mais e melhor o estado de saúde dele. Enquanto a Inteligência Artificial gerencia os dados e auxilia na descoberta de diagnósticos, o médico sabe o que fazer diante das diferentes condições.

Veja também: Inteligência Artificial na saúde: conheça 7 benefícios

Quer mais informações relevantes sobre qualidade no cuidado do paciente e outras áreas da gestão hospitalar? Continue acompanhando nosso blog.

 

Materiais premium

Conteúdos mais lidos