Gestão

Prescrição de antibióticos: como uma plataforma com inteligência artificial apoia médicos na decisão

Por Robô Laura - 3 de novembro de 2021

Otimização da rotina hospitalar, racionalização da tomada de decisões e controle da resistência microbiana. Esses são alguns dos benefícios em contar com uma plataforma com inteligência artificial na prescrição de antibióticos.

Como sabemos, o uso racional desses fármacos é uma questão de saúde pública. Nesse cenário, a tecnologia surge como uma importante aliada para conter as estatísticas pessimistas. Continue a leitura e entenda essa relação!

Por que falar em uso racional de antibióticos?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2050 a resistência microbiana pode se tornar a principal causa de óbitos no mundo, somando cerca de 10 milhões de vidas perdidas no período de um ano. Embora a comercialização de antibióticos exija receita médica, a prescrição desses fármacos muitas vezes é equivocada.

Esses equívocos são os grandes responsáveis pelo desenvolvimento de superbactérias – agentes que sofrem mutações e deixam de responder positivamente aos antibióticos. Essas bactérias resistentes então se multiplicam, passando o gene de resistência para a sua prole e contribuindo para que certos antibióticos se tornem rapidamente obsoletos.

Ainda segundo a OMS, o Brasil é o 17º país em um ranking de 65 nações que mais consomem antibióticos. Esse cenário é motivo de alarde se considerarmos que grande parte dessas prescrições são desnecessárias. Prova disso é que a resistência microbiana é a causa de mais de 700 mil mortes por ano.

Por isso é tão importante discutir o uso racional de antibióticos e investir em ferramentas que auxiliem nessa prescrição. As novas tecnologias favorecem o processo, funcionando como mecanismos integrados aos exames de laboratórios e fazendo análises históricas, dando  suporte aos médicos na tomada das decisões. A seguir, vamos entender como funciona.

Como a inteligência artificial auxilia na prescrição de antibióticos?

Vimos que o uso equivocado de antimicrobianos é uma urgente questão de saúde pública. Graças à transformação digital, os avanços tecnológicos têm ajudado a solucionar esse problema, vencendo a resistência microbiana.

A solução inteligente da Laura é comprometida com essa missão. O módulo Laura Stewardship para auxílio ao controle da resistência antimicrobiana  opera por meio do Laura assistant, que utiliza inteligência artificial para dar suporte à decisão clínica. Conheça alguns benefícios da solução:

Otimiza e agiliza processos

As ferramentas de automação trazem fluidez à rotina hospitalar do início ao fim. Tarefas que antes eram feitas de forma manual, por meio de planilhas, passaram a ser mais ágeis e confiáveis. 

O compilamento de dados ganha a confiabilidade das estatísticas, sinalizando oportunidades de melhoria em todos os processos de prescrição de antibióticos.

Os indicadores levantados pela ferramenta incluem o dos antimicrobianos, bem como a dosagem, tempo de uso, perfil de sensibilidade/resistência do fármaco e as taxas de sucesso. Dados estes que, se fossem planilhados manualmente, atrasariam em meses a apresentação dos resultados.

Racionaliza a tomada de decisões

Os relatórios levantados de imediato pelas ferramentas inteligentes resultam em um microbiota saudável e menos resistente. Isso permite o uso racional dos antimicrobianos a partir de indicações e vias corretas, por tempo adequado e com melhores índices de eficácia conforme cada quadro clínico.

Por exemplo: antes das ferramentas tecnológicas, os relatórios de cultura de antimicrobianos saíam com delay de vários meses, dificultando o parecer médico. Já com uma solução inteligente como a Laura AMS powered by MSD é possível compreender o comportamento microbiano e evitar problemas como contaminações cruzadas.

Ter todas essas informações de antemão é importantíssimo porque facilita o trabalho de quem toma as decisões. Assim, os processos se definem no tempo ideal, minimizando riscos ao paciente. Além disso, com mais tempo disponível, os médicos poderão se dedicar a outras atividades estratégicas, nas quais o fator humano seja essencial.

Controla a resistência microbiana

Com as ferramentas de automação, todo o programa de prescrição de antibióticos é sistematizado e acompanhado de perto pelos médicos assistentes, junto ao infectologistas e farmacêuticos clínicos. Assim, essa equipe multidisciplinar terá sempre em mãos o que é necessário para o gerenciamento adequado das prescrições.

Para você entender melhor como as soluções inteligentes funcionam, considere que, já no primeiro momento em que sai a cultura de bactérias, o sistema avisa imediatamente o médico. Esse ponto por si só já é bastante positivo, tendo em vista que muitas vezes o profissional nem toma conhecimento do resultado das amostras.

A ferramenta então compila o resultado de todos os exames de modo a evitar contaminações cruzadas e resistência microbiana, já que agora todos os envolvidos saberão o comportamento dos micróbios daquele determinado ambiente. Dessa maneira, as prescrições serão mais específicas para conter o desenvolvimento de superbactérias.

Conclusão

Como vimos, a prescrição de antibióticos é uma temática central nos debates globais em saúde. 

As estatísticas pouco promissoras nos mostram que é preciso investir urgentemente nos programas de controle antimicrobianos. A tecnologia é peça-chave nesse processo, monitorando a microbiota, os perfis de sensibilidade e os resultados para propor melhores desfechos.

A Laura é uma empresa que prioriza essa jornada, utilizando a inteligência artificial para a coordenação do cuidado com a saúde de ponta a ponta. Em parceria com a MSD, a principal farmacêutica que desenvolve antimicrobianos no mundo, estamos lançando uma solução inteligente que vai ajudar a vencer a resistência microbiana.

Quer entender mais sobre o assunto? Então assista a gravação do evento: Estruturação de Programas de Stewardship: das planilhas à Inteligência Artificial.

evento-laura-ams

Materiais premium

Conteúdos mais lidos